Vida de Poeta

22 jan
O poeta sua a camisa para mostrar os por quês das palavras soltas, dos momentos de total insegurança, assim como os artistas em momentos de devaneios sós. A confusa sensação das comparações, de não sê-lo sempre maestrino de seus atos, de suas eternas palavras bem feitas. No entanto, cá estão seus gestos diante da pena e do papel.
Alguns, que julgam méritos exclusivos, estranhos seres que parecem julgar eterno o nada de que são feitos(Nelson Mello,2008), já foram esquecidos.
Primorosa função!
Rodeados de mistérios, erguem sua bandeira sem buscar nenhum glamour.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: