Arquivo | Poesia RSS feed for this section

Rua das crianças, número 13

26 jan

Minha rua toda era de pedrinhas

não aquela que mandaram ladrilhar

não tinha brilhantes

tinha muito amor a passar

da casa de número treze

Dona Diquinha vinha

sempre espreitar

mas a criançada arteira

havia de escapar

daqueles tempos de menina

cada canto de minha rua

parecia feito para brincar

pique esconde, bandeirinha

era a maior correria

tanto tempo se passou

o Beto a Nini  

os outros peraltas do beco que fim deu?

onde foi que se meteu?

 

Claridade (Inspirado em África)

15 set

Corre em rio límpido

fresco nascente do tempo

levado margem após margem

com o gosto das bocas d’água

quente como o beijo

de tua paisagem

 

contei dúzias de enseadas

e fronteiras de benquerer

paralelamente traziam

fantasia e realidade

alegria e dor

 

mas o rio corre límpido

largo em direção do esquecer

foram tórridos os momentos

do sofrer

 

e lá no fim do curso

está a claridade pronta

do amanhecer

Beijo Suspenso

15 set

Seus lábios denotavam beijos

escondidos por detrás das palavras

beijos escapavam de teu olhar interrogativo

 

olhar surpreso e agora febril

olhar silencioso, pensativo

absorto pelas palavras

 

aquele olhar descansado

agora atordoa tua noite

noite sonâmbula

perambulas por ela

 

o abajur da antiga saleta

ilumina agora os corpos

no suspenso imaginável

 

e aquele olhar descansado

encontra desequilibrio

atordoado com as palavras

sufocando beijos não

permitidos

 

 

 

 

ATEMPORAL

27 fev

O acaso é sempre mais rico e

a falta de pretensão surpreende

o excesso ou a falta de palavras

 

por um instante aquela surpresa

pareceu vã, mas não foi. Ficou a

estúpida certeza de ter sido

estúpida por deixar de ser e

revelar vontade

e se o acaso que parecia tão rico

agora transformado em dor, a dor

de não ter dito, no instante sê

infinito enquanto durou.

 

Você ainda não sabe

2 jun

você ainda não sabe, mas
eu estou te seduzindo
num instante
a vida é só isso
isso é só um instante
seduzindo
passando num instante
nada mais do que isso,
num instante e,
bum…bum…bum!
um instante
o voo do avião
é passar
e passar no instante do
voo do avião
a vida é um instante
e ponto final
o primeiro instante
quando eu digo: vai!
e o poema vai e
transborda, vai…
e você sem perceber
que eu estou te seduzindo
brinca com esse instante,
esvai.

O livro e o tempo

23 maio

A capa deu bolor

e continua viva

o barbante,

forte como as letras

vagarosamente

retorna à prateleira que

a mão não consegue ignorar

assediada pelas lembranças

teima em buscá-lo

retornando à prateleira

toca-o

e o bailar dos dedos

vão o sentindo enfim.

Travessia

15 ago
"A certeza de brincar com nuvens é a única  que tenho."

“A certeza de brincar com nuvens é a única que tenho.”

%d blogueiros gostam disto: